Envie este conteúdo por email

Notícias e Publicações

Licença para dragar

O imbróglio em torno da dragagem do Porto de Santos levantou o tema da descentralização no setor portuário, dizem entidades do segmento.

A contratação de serviços, hoje, é controlada pelo governo federal, que precisaria autorizar mudanças no modelo - como no caso de Santos, onde se propõe a concessão do serviço de dragagem.

A descentralização daria mais agilidade à contratação, que hoje é pouco eficaz e frequentemente gera problemas à operação portuária, diz Marcos Ludwig, sócio do Veirano.

As empresas que usam os portos também se queixam que o orçamento centralizado beneficia áreas que requerem manutenção frequente, como Santos, afirma Paulo Villa, do Usuport da Bahia (dos usuários de portos do Estado).

O próprio município de Santos, porém, apoia a descentralização, que seria um modelo mais competitivo, segundo o prefeito da cidade e presidente da ABMP (associação das cidades portuárias), Paulo Barbosa (PSDB).